sábado, 12 de maio de 2012

Ponto Crítico: Para falar ainda mais de música.

Já que uns dão notas, outros ligam e desligam, eu resolvi vaiar e aplaudir. São algumas temáticas que resolvi debater de vez em quando, realizando um breve encontro de extremos, analisando quem merece uma salva de palmas ou uma coleção de xingamentos resumidos em uma sequência repetida de uma única vogal.


Para iniciar com uma chave bem valiosa, resolvi surpreender a mim mesmo e aplaudir a estreia do Acústico MTV – Arnaldo Antunes. Há muito tempo que a emissora não lançava um acústico de tanta qualidade (com exceção do Lulu Santos, em 2010), afinal, o cantor é um dos maiores representantes da MPB e, com este trabalho, celebra 30 anos de carreira.
Gravado em 4 de dezembro de 2011, foi lançado no último dia 10 de maio e as vendas já iniciaram em grande parte do país. No repertório, algumas canções marcantes como ‘A Casa É Sua’, ‘O Que’, ‘Envelhecer’ e outras das épocas de Titãs e Tribalistas, além de muita musicalidade através da banda que conta com nomes como Marcelo Jeneci e Edgard Scandurra.
Sem dúvida, um grande investimento e um oportuno presente para os mais apurados ouvidos. Vai que é tua, +Arnaldo Antunes!


Já quem precisa de um bom puxão de orelha são os responsáveis pela trilha sonora da novela global ‘Avenida Brasil’. Sinceramente, nunca vi tanto mau gosto e idiotice misturada.
Desde a apelativa abertura, com mais uma das inúmeras e irritantes versões de “Dança Kuduro” até o tecnobrega da Banda Xeiro de Mel (ex-Verde), que não deixa de ser uma ótima banda, mas já teve músicas melhores. Isso tudo passeando por uma lista de ícones da cafonice, regados a nomes artísticos medonhos: Belo, Sorriso Maroto, MC Koringa, Tchê Garotos, Buchecha e (acredite, se puder) Aviões do Forró. Como se não bastasse, ele não deixa de marcar presença: Michel Teló e sua humilde residência, para engordar a lista de “poemas” entupidos de garotas, gatas, tchus, tchás, mexes, remexes, “ai ai ais” e papais dizendo que vão morrer por causa da mina (Aliás, quanta falta de amor próprio, né?).
Não posso ser injusto deixando de destacar o que ainda se salva: Rita Lee, Arlindo Cruz, Maria Rita, Diana Ross... Mas, eu sei que muita gente está esperando eu falar de +Marisa Monte e Adele. Tá bom! ‘Depois’ e ‘Set Fire To The Rain’ são maravilhosas canções, mas nada têm a ver com as personagens. Não faz o menor sentido!
Tudo bem, eu entendo que a novela é popular, feita para a chamada classe C e ainda podemos contar com o objetivo da Grôbu em agradar as regiões nas quais se encontra em queda livre no ibope, no entanto, um pouco mais de pesquisa e o leve trabalho de ver a tradução antes de se agradar apenas pela melodia doce ajudariam a melhorar a qualidade das escolhidas para embalar o enredo.

Um comentário:

Grupo de Perseverança PCV disse...

A cultura nacional precisa ser mais valorizada entre a juventude.